Jornal do Tempo | Notícias

Apesar do clima favorável, Brasil ainda terá que importar trigo

O aumento de mais de 20% na safra brasileira não supre a demanda interna

10/11/2014 15:10:00

Por: Rafaela Vendramini


Nesta segunda-feira é o dia do trigo e os produtores deste cereal comemoram o aumento da safra, a boa produtividade e a demanda aquecida no mercado. Mesmo com todos esses fatores e com a ajuda do clima, o país terá que importar trigo para suprir o consumo interno. O crescimento de mais de 22% na safra deve gerar uma produção de 7,7 milhões de toneladas, longe dos 12,2 milhões de toneladas consumidas pelos brasileiros.

A situação de 2014 é melhor que a 2013, pelo menos. O Paraná, que é um importante produtor de trigo teve grandes perdas na safra passada por causa do inverno rigoroso, que provocou geada em quase todas as áreas produtoras do Estado. Já neste ano, a colheita chega a 83% do total plantado e do cereal que ainda está no campo, 89% já está em fase de maturação.

O Rio Grande do Sul que enfrentava problemas com o excesso de água. A chuva acima da média entre setembro e outubro atrasou a colheita e baixou a qualidade dos grãos, mas até o momento os prejuízos não devem afetar a safra nacional. Além disso, a previsão da Somar Meteorologia é que os próximos 10 dias sejam de tempo seco, apenas com chuvas fracas e isoladas na região Sul.

A safra de trigo neste ano surpreendeu até em Mato Grosso do Sul, que não é o Estado mais tradicional nesta cultura. Houve um aumento de mais de 40% na área plantada do cereal, influenciada pelo comportamento atual do mercado e pelas expectativas de bons preços de acordo com a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).

A importação em 2014 será menor que nos dois últimos anos, mesmo assim deve chegar a 5,5 milhões de toneladas. Boa parte deste trigo deve vir da vizinha Argentina, que plantou 4,6 milhões de hectares e já começou a colheita. A chuva dos últimos dias atrasou o início dos trabalhos no campo, mas segundo a Somar Meteorologia, esta chuva perderá muita força pelos próximos 15 dias.

Últimas notícias

Buscar notícias