Jornal do Tempo | Notícias

Meteorologia prevê chuva abaixo da média em setembro no Sistema Cantareira

No ritmo de queda atual e com o volume disponível hoje, o Cantareira secará em cerca de dois meses

01/09/2014 14:35:00

Por: Aline Cardoso

Setembro começa com a esperança de volta das chuvas e melhora no quadro crítico dos reservatórios de água de São Paulo. Porém, a previsão não indica um cenário animador para os próximos 30 dias. “As chuvas retornam aos poucos, mas as últimas rodadas dos modelos meteorológicos mostram volumes abaixo da média para o mês, que é de 90mm”, explica o meteorologista Willians Bini.

Entre amanhã e sexta-feira, algumas instabilidades atuam no Estado de São Paulo e até podem provocar chuva no Sistema Cantareira, mas é bom salientar que serão chuvas fracas, isoladas e de baixo acumulado, o que não muda a situação atual dos reservatórios.

Ainda segundo Bini, a segunda quinzena de setembro será mais chuvosa do que a primeira. A partir do fim de semana o tempo volta a ficar seco e quente em São Paulo, o que pode até agravar a falta de água, pois com o calor, o consumo aumenta. Hoje, o Sistema Cantareira está com 10,8% da capacidade máxima, o ritmo de queda é de 0,2% por dia. Se continuar assim, as represas devem secar totalmente em cerca de 55 dias.

Segundo a Sabesp, ainda existe a segunda parte do volume morto e foi feito um pedido da companhia para usar mais 106 bilhões de litros de água.

A Somar Meteorologia prevê que em meados de outubro as chuvas serão mais fortes e com volumes de água maiores. Isso não quer dizer que o problema estará resolvido, apenas que nesse período a taxa de queda será menor ou estável.

[*BPeríodo chuvosoB*]

A época chuvosa no Brasil vai de outubro a março. Para o período de 2014/2015 a previsão é que as chuvas fiquem dentro da média, isso quer dizer que as chuvas podem ficar 25% acima ou 25% abaixo do valor que é considerado normal para esses meses em São Paulo.

“Uma coisa já podemos afirmar com certeza, as chuvas de 2014/2015 serão melhores do as de 2013/2014”, conclui Bini.

Últimas notícias

Buscar notícias